07-06-2006
    a nossa eXperiência

IGMarketing posiciona-se como parceiro ideal para acompanhar o desenvolvimento de uma estratégia integrada de conceitos fortes através de tours para segmentos importantes tais como o Youth Market (teenagers), Estudantes Universitários bem como o mercado feminino.

À nossa experiência na concepção de Tours, à capacidade de angariar sponsorship & parceiros de media, acresce a constante e continua formação junto de congressos internacionais, nomeadamente Experiential Summit Chicago, Demand Generation NYC, Youth Marketing NYC, Las Vegas Summit, Brand Sense (5 sentidos).

Tudo isto redunda em competências reconhecidas e conhecimentos alargados de conceitos globais, representação de serviços inovadores (desde photo activation a realtime data collection) bem como a oportunidade de networking com os gestores & consultores responsáveis por eventos e marcas de vanguarda.

A nossa experiência:

Posted by Nuno Machado Lopes in apresentação
Permalink | Comments (0)
    mercado: pano de fundo

Num mundo interactivo, capturar experiências confere afinidade. Deste modo, as interligações criadas deverão, obrigatoriamente, interagir com a experiência do consumidor. Existe assim uma necessidade de evoluir de eventos únicos para a criação de uma evolução contínua na relação marca consumidor, só possível através de uma estratégia bem pensada.

Encontra-se tudo subjacente à história, às personagens e ao papel que cada consumidor tem a oportunidade de encarnar. Esta relação é construída com base na confiança e na relevância da mensagem – não se trata mais do que a marca quer comunicar mas sim o que o consumidor quer ouvir. YOU versus ME. Esta nova linguagem é simples, directa e muito verdadeira.

Através da experiência adquirida a partir da realização de diversas tours, apercebemo-nos, quer da importância de que se reveste a mensagem, quer do modo de a veicular, isto é, como atingir o consumidor, não descurando nunca o valor acrescentado conferido pela escolha de parceiros relevantes. A necessidade de os ajudar a transmitir a mesma mensagem – a mesma história, é fundamental.

Posted by Nuno Machado Lopes in apresentação ,conceitos
Permalink | Comments (0)
06-06-2006
    uma visão

Enquanto “place-based media” existe há anos, poderá parecer estranho para uma marca ou media planner contemplar um centro comercial como um meio de publicidade – como TV, rádio, revistas ou até jornais. Na realidade, o centro comercial é muito mais que um meio de publicidade – é um local de encontro, podendo-se mesmo considerar uma comunidade onde o consumidor observa, comunica e transacciona - um local onde media impressions podem ter um grande impacto.

Publicidade em centros comerciais tem elementos distintos que os tornam estratégicamente valiosos para os marketers:

- High effective reach – Considerando-o como um meio de publicidade nacional, o reach da Sonae Sierra é extremamente alto e compara favoravelmente com grande parte dos veículos de publicidade nacionais. Existe uma percentagem elevada da população que visita os Centros Comerciais, sendo que esse número não se transmite num número equivalente de media impressions. Através de uma estratégia integrada, é possível atingir esse mesmo cliente 3 vezes mais numa única visita, ou seja, uma exposição de 3 vezes ou mais a que se obteria por um meio de publicidade normal.

- Point of Purchase (POP) – A mensagem de publicidade num centro comercial é recebida pelo cliente prospectivo imediatamente antes e (e até durante) depois de fazer um desproporcionalmente elevado número de decisões de compra – com respeito ao retalhista bem como o tipo de produto através das enumeras categorias.

- Active & Experiential – O centro comercial é o local físico com maior assiduidade no que concerne à compra, ao acto de socializar, procura de entretenimento, refeição tomada, filme visto e dinheiro gasto. O centro comercial é um destino, uma atracção – um centro da comunidade, sendo que a experiência é vivida de uma forma divertida e partilhada entre amigos e/ou família. O factor de ser uma comunidade ajuda a eliminar as barreiras entre publicidade, promoção e POP. Na sua essência, fazer compras continua a ser uma actividade “táctil” onde uma maioria de consumidores querem ver, tocar e experimentar os produtos antes da compra – Experiential Marketing!

Posted by Nuno Machado Lopes in apresentação
Permalink | Comments (0)
    DTour Live


If the video does not display properly click here to upgrade to Flash 8

Tais eventos, já deram os seus frutos para empresas como, Bacardi-Martini Portugal, Coca-Cola, Visa U.S.A, Microsoft, Ford e muitos outros.

A DTour, uma ferramenta B2C (business to consumer), é pioneira no que concerne à transformação dos centros comerciais num meio onde as marcas, através de um estratégia B2B (business to business), possam construir relações one2one com o consumidor adolescente que visita regularmente os Centros Comerciais Sonae Sierra.

Posted by Nuno Machado Lopes in conceitos ,tour nacional ,vídeo [CaseStudy]
Permalink | Comments (0)
    TechTour
Techtourlogo


If the video does not display properly click here to upgrade to Flash 8
Posted by Nuno Machado Lopes in tour nacional ,vídeo [CaseStudy]
Permalink | Comments (0)
    to brand or not to brand

Para Simon, o foco tem sido na programação self-branded através dos seus Centros Comercias, com conceitos próprios tais como Simon's Kidgits Club para crianças, a DTour com música ao vivo para o mercado Teen e Super Chefs Live tour, com base na culinária e o Chef como celebridade. Numa estratégia integrada, tem iniciado parcerias com as principais marcas tais como a Coca-Cola usufruindo de Coca-Cola Assets tais como o programa American Idol.

Sendo que existem os que acreditam que branding de um Centro Comercial tem comparação com o mercado discográfico e até o de Paquetes – “nunca se ouve alguém dizer que comprou um disco da EMI ou que esteve no Pride of Aloha. Ah! Mas ai está a diferença, existem muitos que referem o nome do QEII – será um ponto de diferenciação? Bem provável que sim. Ignoramos por agora o mercado discográfico pois é um exemplo a não referir salvo seja se para demonstrar o que acontece quando se perde toda a noção da realidade evitando a todo o custo enfrentar a realidade de um mercado diferente – muito diferente.

Centros Comerciais são homogéneos com locadores reconhecidos pela maioria dos consumidores. Então porque não dar a personalidade do Centro Comercial a conhecer, ou neste caso a marca, de forma a diferenciar – tornar-se-á mais fácil com uma equipa extraordinária oferecendo um excepcional serviço criando uma vantagem no mercado. Mesmo que não exista ainda dados concretos do in(sucesso), a realidade é que muito se ganha na relação b2b (business to business) criando uma confiança nas marcas grandes, bem como nas agências publicitárias, de se associarem aos eventos desenvolvidos internamente.

American Express, Visa & Mastercard tem investido nas suas próprias marcas independentemente de estarem presentes em diversos mercados e serem um método de pagamento. É necessário ter uma marca central com um brand promise para poder construir de uma forma coerente a estratégia de marketing e eventos substituindo (não na integra) o antigo formato de eventos demasiado regionalizados e muitas vezes com pouco ênfase no que mais importa – ROI & ROO – bottom line – resultados – a razão principal pela existência do negócio.

Posted by Nuno Machado Lopes in apresentação ,conceitos
Permalink | Comments (0)